top of page

Ela é uma montanha


ALEXA PRATLEY E MARIA AMPARO DEL MORAL LLOBAT




Gudrun Krökel-Burkhard, personalidade que introduziu e estabeleceu a arte antroposófica de curar em todas as suas facetas no Brasil, faleceu em setembro de 2022 em Florianópolis após uma vida longa e enérgica. “Ela é uma montanha!”, disse certa vez um genro. Se pensarmos no poder majestoso de uma montanha, nos anos que lhe deram origem, na sua presença, poder e inabalabilidade, a imagem está correta. Gudrun Burkhard (nascida em 14 de dezembro de 1929 em São Paulo) também era particularmente alta fisicamente. Mesmo tendo algo tímido e reservado no íntimo, ela era uma personalidade poderosa com uma presença que deixou uma impressão duradoura. Ela era autêntica, voltada para objetivos, enérgica e capaz como nenhuma outra pessoa. Ela veio à Terra para realizar uma grande variedade de tarefas – realizações visíveis cujas origens estavam no espiritual. Para ela, tratava-se sempre do que era concreto, óbvio, tangível e implementável. Seu objetivo era transformar impulsos ou percepções decorrentes da antroposofia em algo “físico”. Estas incluíram o estabelecimento do treinamento em medicina antroposófica (curso de medicina) no Brasil, a fundação da Weleda no Brasil e a fundação da Clínica Tobias, onde as diversas aplicações terapêuticas antroposóficas poderiam ser praticadas. Foi a primeira clínica antroposófica fora da Europa. Depois houve cursos de biografia e formação como consultor de biografia na Europa e a iniciativa da primeira conferência global de biografia no Goetheanum. Fundou o Centro Paulus, centro de cursos médicos e socioeducativos, e a Associação de Medicina Antroposófica do Brasil (ABMA), da qual ocupou a presidência. Na sua prática médica tornou-se cada vez mais claro para ela que os remédios por si só nem sempre podiam ajudar e que o trabalho terapêutico com a biografia tinha de acompanhar o processo de cura. O desenvolvimento da obra biográfica é uma consequência lógica da missão de Gudrun. Seguiu-se a criação de um local de trabalho para o trabalho biográfico, a Artemísia, centro de trabalho biográfico e casa termal, e a formação para o trabalho biográfico no Brasil. Na sua “aposentadoria” em Florianópolis, no sul do Brasil, construiu e fundou a clínica terapêutica Vialis e a associação Sagres. Existem salas para a realização de treinamentos e cursos, incluindo arteterapia, e o alojamento Acalanto. Gudrun escreveu livros sobre temas de nutrição, medicina, biografia/trabalho de biografia. Seu último livro sobre a vida após os 80 anos foi baseado em entrevistas com pessoas com mais de 80 anos. Na verdade, Gudrun realmente tinha a força de uma montanha!

Inícios Seu pai, Walter Krökel, escolheu seu nome significativo (“ela sabe sobre os deuses”). Foi fisioterapeuta e naturopata e emigrou de Berlim para o Brasil em 1920. Gudrun veio de seu primeiro casamento curto. Sua segunda esposa trouxe a conexão com a antroposofia para suas vidas. Gudrun cresceu como filha única em São Paulo e descreveu como passava muitas horas em meio à natureza rica e como toda a família tomava banho diariamente em um lago próximo no verão. Aos 12 anos soube que seria médica e aos 18 passou no primeiro vestibular para medicina e começou a estudar medicina com muito entusiasmo. No mesmo ano, seu pai e sua esposa passaram a se interessar cada vez mais pela antroposofia, participando de palestras e grupos de leitura etc., o que também despertou o interesse de Gudrun. Tornou-se a melhor aluna no primeiro semestre, recebeu todos os tipos de prêmios, conquistou a confiança do chefe durante o trabalho prático no hospital e já cuidava de pacientes no quarto ano de estudo, aos quais até pôde prescrever medicamentos. Ela era particularmente fascinada por anatomia e histologia. Ela trabalhou durante horas no microscópio para estudar as imagens e os tecidos: “No microscópio vi um mundo inteiro de estrelas nas células”.



Gudrun Krökel-Burkhard e seu marido Daniel na Grécia.















Primeira Vida – Medicina Ela conheceu seu primeiro marido, Peter Schmidt, em uma palestra sobre Goethe, quando tinha 22 anos e logo se casou. Ambos sentiram que seguiriam um caminho comum. Criar filhos e constituir família própria era algo novo para ela e precisava ser trabalhado aos poucos. Suas duas filhas, Aglaia e Solway, nasceram enquanto ela ainda estudava. Seus filhos, Thomas e Tiago, chegaram com 28 e 38 anos. Aos 24 anos, formou-se em medicina e depois trabalhou como médica assistente no departamento de medicina interna da clínica universitária. Seu pai já havia montado para ela um consultório em seu instituto de fisioterapia, onde ela logo assumiu a gestão médica. Aos 26 anos foi fundada a primeira escola Waldorf no Brasil, na qual estiveram envolvidos seus sogros Melanie e Hans-Ludwig Schmidt. Gudrun decidiu ser médica escolar lá. Agora ela queria aprender medicina antroposófica e conseguiu uma bolsa da Weleda para o curso de medicina antroposófica em Arlesheim/Suíça. Desde então, ela sempre se esforçou para oferecer formação e aperfeiçoamento aos médicos no Brasil, com Otto Wolf apoiando-a e ajudando-a. Ela passou dos 33 aos 35 anos com o marido e os filhos na Europa, onde aprendeu sobre uma variedade de terapias e aplicações antroposóficas e teve encontros humanos formativos. Um desses encontros foi com Bernhard Lievegoed. Esses dois anos foram alguns dos mais frutíferos de sua vida, disse ela. Com isso, pretendia-se introduzir as terapias e aplicações antroposóficas no Brasil e também organizar cursos e aperfeiçoamentos para isso. A necessidade de ter uma clínica tornou-se evidente. Gudrun e Peter compraram uma propriedade não muito longe da escola Waldorf. Quando Gudrun tinha 39 anos, foi inaugurada a Clínica Tobias. Depois que seu marido iniciou o trabalho de educação social em sua empresa Giroflex, Gudrun tornou-se médica da empresa. Sua vida se desdobrou em três âmbitos: no trabalho socioeducativo na empresa do marido, na Clínica Tobias e no convívio familiar.

Segunda Vida – Trabalho de Biografia Aos 45 anos conheceu Daniel Burkhard, que se tornou seu segundo marido. Em fevereiro de 2005 ela escreveu: “Foi assim que uma nova vida começou para mim. Peter, com quem mantenho até hoje uma relação espiritual interior muito forte e profunda, contribuiu muito intensamente para que a nossa separação não afetasse o trabalho geral nas diversas áreas, especialmente na clínica. Sempre considerei meu relacionamento com meu marido como paternal e até hoje procuro conselhos dele.

Olhando para trás, posso dizer agora que o encontro com meu segundo marido revelou muitos elementos novos que já estavam construídos em mim. Através de Peter já tive contato com as questões socioeducativas e com o trabalho do professor Lievegoed. Este elemento foi reforçado através do relacionamento com Daniel.

Depois que o amigo de Daniel, Helmuth J. Siethoff, esteve aqui no Brasil e nos incentivou a unir forças - Daniel como consultor de negócios e eu como médica - decidimos criar seminários de biografia. Aqui encontramos uma área comum de trabalho que se desenvolveu cada vez mais ao longo dos anos.»

Gudrun recebeu muito apoio para o seu trabalho com a biografia de Michaela Glöckler, da Seção Médica em Dornach e da Clínica Lukas em Arlesheim . Gudrun ficou profundamente grata por este grande e valioso apoio. Lá ela pôde realizar trabalhos de biografia com pacientes com câncer. Além disso, o Fórum Kreuzberg em Berlim, a Clínica Lahnhöhe em Lahnstein e o Der Hof em Frankfurt/Main abriram suas portas para seus cursos de biografia. A partir dos 50 anos, viajava duas vezes por ano para a Europa e realizava cursos de biografia na Suíça, Alemanha, Espanha, Portugal, Suécia e Grã-Bretanha.



Gudrun Krökel-Burkhard conversando durante Curso Médico no Centro Paulus, Brasil.















No Brasil havia muitos estudantes de medicina que queriam formação e novos cursos. Houve também um interesse crescente por questões socioeducativas. Então ela decidiu, junto com Alexander (Lex) e Johanna Bos, criar seminários socioeducativos. Para isso foi necessário um novo prédio e foi criado o Centro Paulus, onde ainda hoje acontecem numerosos cursos antroposóficos.

Aos 53 anos, Gudrun e Daniel compraram um imóvel na periferia sul de São Paulo para começar a construir a casa própria e um novo local de trabalho biográfico, a Artemísia. Inúmeras pessoas já passaram por lá, seja como estagiários ou como hóspedes do spa. A Artemísia era um caldeirão de encontros humanos. Em 1993, Gudrun montou o primeiro grupo de formação para trabalhos biográficos no Brasil. Aos 65 anos, ela e o marido, Daniel, decidiram deixar São Paulo e passar a aposentadoria em Florianópolis, no sul do Brasil. Ela relatou um passeio de barco com Daniel: “Dali observamos o pôr do sol e as gaivotas voando e os mergulhadores em direção ao sol poente – o mesmo voo que a alma fará após a morte, desligada do corpo. É uma preparação para o pôr do sol da vida, a transição para o cosmos, estrelas azuis durante o dia e a noite.»

Mesmo aposentada, Gudrun demonstrou grande energia. Recebeu todos que a procuravam, deu conselhos, escreveu livros, continuou a cuidar de suas 'casas' e sempre trabalhou artisticamente: pintou quadros de sua vida, criou quadros em lã e esculpiu. Havia criatividade infinita até as pontas dos dedos de suas mãos bronzeadas.

Aos 72 anos, ela realizou seu profundo desejo de se formar em arteterapia. Gudrun trabalhou lá como participante, organizadora e professora. Ela estudou Franz Marc detalhadamente e copiou muitas de suas fotos em seu tamanho original. Por dentro Não havia nada de exuberante nisso, mas sim algo contido, como a montanha. No que acontecia, às vezes era possível experimentar algo solitário. Ela entrava em cada encontro aberta e desperta e os levava a sério. Ela foi libertadora, deu espaço aos outros, nunca mimou e exerceu liberdade de julgamento. Ela só dizia coisas essenciais e por isso cada palavra que ela dizia tinha peso. Houve consciência, presença, determinação e seriedade em todo o seu trabalho. Era “antroposofia em ação”.

Tudo foi colocado em prática e assim tudo que ela nos ensinou foi desenvolvido e vivido ela mesma.

“Não descanse nas qualidades ou habilidades que você recebeu, mas sempre trabalhe e pratique o que está faltando. A vida é uma fonte incessante de desenvolvimento e deve ser vivida como tal!”





















Um ano e meio antes de sua morte, ela e Daniel decidiram deixar sua amada casa e se mudar para uma casa de repouso. Organizar as necessidades diárias tornou-se muito tedioso e cansativo e muitas vezes tiveram que contar com a ajuda de outras pessoas. Agora eles tinham mais paz e tempo.

Ela agora podia desfrutar de ser avó e bisavó e da companhia de sua família com seus netos e bisnetos. Os últimos dias de sua vida até cruzar o limiar também foram impressionantemente obstinados. Estes foram caracterizados por fortes dores físicas, mas também por consciência.

Uma semana antes de sua morte (em 28 de setembro de 2022), ela foi transferida da unidade de terapia intensiva para uma enfermaria normal e anunciou que queria morrer. Ela pediu à família e aos amigos mais próximos que viessem se despedir. Até as últimas horas, ela deu instruções à filha Solway sobre como preparar a sala de espera. Enquanto Solway exibia o último de seus quadros de vida pintados por ela mesma, Gudrun cruzou o limiar depois que sua missão foi concluída.

Ela foi exemplo de amor à vida e seriedade, comprometimento e conexão com a evolução. Ela acompanhava muitas pessoas e grupos, ficava de olho em todos e se reunia com eles regularmente. Ela manteve contato mais pessoal com alguns deles, ajudou-os e apoiou-os em sua jornada, protegendo-os como uma mãe. Nós, os autores deste obituário, estamos profundamente gratos por podermos contar-nos entre estas pessoas.


Foto da capa Gudrun Krökel-Burkhard. Todas as imagens foram fornecidas de forma privada


Texto traduzido do original - https://dasgoetheanum.com/sie-ist-ein-berg/

99 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page